Imprensa

16/04/2003 - Tiago Splitter

img
Tiago Splitter joga há quase três anos na Espanha. O ala/pivô foi contratado pelo Tau Cerâmica, mas joga emprestado no Bilbao Basket, time pelo qual foi campeão da Liga Espanhola 2002. Sua participação na seleção brasileira começou em 2000. Na sua primeira convocação, Tiago foi o cestinha da Copa América Juvenil, com 120 pontos, e eleito um dos cinco melhores jogadores da competição. Estreou na seleção principal em 2002 durante o Mundial de Indianápolis, enfrentando algumas das maiores estrelas do basquete internacional com apenas 17 anos. Nessa entrevista, Tiago fala sobre as chances da seleção brasileira no Pré-Olímpico de Porto Rico, no mês de agosto, sobre a experiência no basquete espanhol e a possibilidade de jogar na NBA.

O que significa para você estar novamente na lista dos pré-convocados da seleção brasileira?

Estou feliz por ter sido chamado pela comissão técnica e por estar entre os pré-convocados. Espero poder corresponder a todas as expectativas. A experiência que adquiri depois do Mundial do ano passado me ajudou muito a aprimorar o meu basquete. Meu objetivo é seguir melhorando.
img

Fale um pouco da sua estréia na seleção adulta no Mundial de Indianápolis.

Estrear com apenas 17 anos na seleção principal, enfrentando alguns dos maiores ídolos do basquete, foi inesquecível. É uma experiência incrível estar rodeado de estrelas do basquete internacional. O Campeonato Mundial do ano passado foi, com certeza, um dos meus melhores momentos no basquete.

Como você analisa a sua participação na seleção brasileira até agora?

Desde a minha primeira convocação para a seleção juvenil na Copa América em 2000, a participação na seleção brasileira vem me projetando no mundo do basquete. Se não fosse por isso, sei que não estaria jogando aqui na Europa. Só tenho que agradecer.

Quais são as chances do Brasil no Pré-Olímpico deste ano?

É difícil prever a colocação do Brasil no Pré-Olímpico. Vai ser um grande desafio, mas, com certeza, a comissão técnica e todos os jogadores da seleção brasileira vão fazer o melhor possível para conquistar essa vaga. Eu penso o melhor e, na minha opinião, o Brasil vai participar das Olimpíadas de 2004 em Atenas.
img

Como tem sido essa experiência de jogar na Espanha?

Já estou acostumado com o país, com o clima e tudo mais. Isso é bom, porque assim só tenho que me preocupar com o basquete. Estou jogando como estrangeiro na segunda divisão da liga espanhola. Jogo no Bilbao Basket, emprestado pelo Tau Ceramica. Nosso time está bem e estamos em quarto lugar. Individualmente, estou fazendo uma boa temporada e espero seguir assim até o final dos playoffs, já que essa é a fase mais importante do Campeonato.

Quais são os seus planos para a próxima temporada?

Ainda não sei muito bem onde vou estar jogando. Tudo depende do meu passaporte. Se consegui-lo antes do começo da próxima temporada, seguramente continuarei na Espanha, atuando pelo Tau Ceramica, porque esse é o meu maior desejo no momento.
img

Após duas temporadas no basquete europeu você acredita que possa vir a jogar na NBA?

Ultimamente, muita gente tem me perguntado sobre a possibilidade de jogar na NBA. Neste momento, estou mais preocupado em jogar bem aqui na Europa. Se um dia tiver a oportunidade de jogar nos Estados Unidos, ficarei muito feliz, já que esse é um dos sonhos que tenho desde criança e acho que também é o sonho de todos aqueles que jogam basquete.