Imprensa

27/03/2003 - Cíntia Silva dos Santos

img
Campeã mundial na Austrália (1994), medalha de prata nas Olimpíadas de Atlanta (1996) e bronze em Sydney (2000). Essas são algumas das conquistas da pivô Cíntia Silva dos Santos. Aos 28 anos, Cintia Tuiú, como é conhecida, deu seus primeiros arremessos nos times paulistas do BCN/Piracicaba, Ponte Preta/Campinas e BCN/Osasco, mas também teve grandes experiências no basquete internacional. Atuou três anos na WNBA, chegando a jogar como titular no Orlando Miracle, e está há cinco anos na Itália. Primeiro, jogou no Bees Triviglio, e hoje está no Cari Chieti. Sua última participação na seleção brasileira foi no Campeonato Mundial da China, no ano passado. Em 2003, a jogadora pretende participar do Pré-Olímpico e ajudar o Brasil a conquistar a única para as Américas nas Olimpíadas de Atenas, em 2004.

Como foi sua adaptação ao clube italiano e ao país?

Estou jogando na Itália há cinco anos. Minha adaptação ao país foi muito boa desde o começo. Este é meu primeiro ano no Cari-Chieti, apesar de já conhecer bem a cidade de Chieti antes de vir jogar no clube.
img

A passagem pelo basquete europeu trouxe alguma evolução ao seu estilo de jogar?

Evolui muito com essa experiência. O basquete europeu me deu várias oportunidades, além da possibilidade de melhorar meu basquete. Mudei um pouco meu estilo de jogo, que está mais maduro do que há cinco anos atrás.

Quais são os seus planos para a próxima temporada?

Ainda não fiz planos para a próxima temporada, mas penso em continuar aqui na Itália. Tenho contrato com o Cari-Chieti até o final de maio.
img

Fale um pouco da sua experiência na WNBA.

Foi um dos meus melhores momentos no basquete, desde o draft até a possibilidade de uma estrangeira jogar de titular no Orlando Miracle no meu primeiro ano. Os últimos dois anos não foram iguais ao primeiro. Mesmo assim, jogar na WNBA é uma experiência que vale muito à pena, pelo fato de você estar jogando e treinando com jogadoras de alto nível.

Como vai ser defender o Brasil no Pré-Olímpico do México, no mês de setembro?

Pretendo ajudar a seleção brasileira a conquistar a única vaga disputada pelas Américas para as Olimpíadas de Atenas, em 2004. Acredito que o Brasil tem ótimas chances no Pré-Olímpico porque temos uma boa equipe. Apesar da maioria das jogadoras estar atuando em times estrangeiros e de termos pouco tempo de treinamento todas juntas, formamos uma ótima seleção.