Imprensa

31/03/2010 - Tássia Carcavalli

img
Tássia Carcavalli é um dos destaques da seleção brasileira sub-18 feminina, patrocinada pela Eletrobras. A equipe acaba ser campeã invicta dos Jogos Sul-Americanos de Medellín, na Colômbia. A armadora anotou 65 pontos, doze recuperações de bola, onze rebotes e cinco assistências em 135 minutos de jogo. A jogadora estreou com a camisa verde-amarela em 2007, quando ficou em segundo lugar no Sul-Americano Sub-15 do Equador. Em 2008, Tássia ganhou o bronze na Copa América – Pré-Mundial Sub-18, que foi disputado na Argentina. A brilhante jogadora está para completar 18 anos e conta sua trajetória e experiência no basquete.
img

Qual a sensação de subir no pódio?

É uma felicidade imensa. A sensação é de dever cumprido. Todas nós merecíamos o título. Quero repetir essa experiência muitas e muitas vezes. Em 2007, fui vice-campeã sul-americana e subi no pódio pela primeira vez e, em 2008, ficamos em terceiro lugar na Copa América. Mas desta vez, subir no degrau mais alto foi a conquista mais saborosa. É de arrepiar cantar o hino nacional fora do seu país.

Que análise você faz da participação do Brasil nos Jogos Sul-Americanos?

Acredito que se não tiver preparação não há rendimento. Embarcamos para a competição muito focadas e bem treinadas. Foi um campeonato bem equilibrado. A disputa mais difícil foi a decisão do ouro contra as argentinas. A rivalidade entre Brasil e Argentina é muito forte e na final isso ficou bem evidente. Mas todas as atletas brasileiras jogaram com muita raça e força de vontade. O resultando foi positivo e conquistamos a medalha de ouro de forma invicta.
img

Você ficou surpresa com o seu rendimento?

Desde o primeiro jogo, eu só pensava em ajudar a equipe. Não consigo ficar contente com pouco. Sempre acho que posso dar mais alguma coisa pelo time. Estar entre as melhores é a recompensa do meu trabalho. Na minha posição é preciso estar sempre atenta, afinal sou os olhos da equipe. É importante que eu tenha visão de jogo e velocidade na transição. Além disso, preciso passar as jogadas da melhor forma para as minhas companheiras. E para me manter assim, só com muito treino.

O que podemos esperar dessa geração?

Essa geração é unida. Vejo cumplicidade na equipe. Uma sempre empurrando e animando as outras. Acredito que esse legado de atletas fará bonito em competições futuras, assim como tem feito até agora.

Você já praticou outro esporte?

Desde novinha fazia ginástica olímpica e basquete. Chegou um momento que não dava mais para conciliar os dois e tive que tomar uma decisão. Escolhi o basquete por uma questão de afinidade com o esporte. Sempre achei que era melhor no basquete do que na ginástica.
img

Fale um pouco sobre sua trajetória.

Minha irmã jogava basquete, então resolvi seguir o exemplo dela e treinar também. O primeiro clube que defendi foi o Círculo Militar (SP), em 2003, quando tinha 11 anos. Depois fui para o CFE Janeth Arcain (SP) e, no final de 2005, joguei pelo Pinheiros (SP). Desde 2006, defendo Americana (SP).

Você possui algum ritual antes dos jogos?

Me empolga bastante o grito que damos no início de cada partida. Logo depois, faço três vezes seguidas o sinal da cruz, mas não chego a considerar isso um ritual.

Quais são seus ídolos do esporte?

Como qualquer pessoa que gosta da modalidade, tenho uma grande admiração pela rainha do basquete brasileiro, Hortência Marcari. Tive a oportunidade de conversar com ela em Jundiaí (SP), durante a primeira fase de treinos. Foi um papo muito proveitoso, que nos animou bastante.

Você mora em uma república com outras atletas. Como é a convivência com as jogadoras e sua mãe?

No início imaginei que fosse ser bem complicado, porque somos onze pessoas morando juntas. Construímos uma grande amizade e sempre nos divertimos. Minha mãe é a “tia” da casa e faz tudo para nos agradar. Eu e minha mãe somos muito amigas. Cheguei a sentir ciúmes dela com as outras meninas quando fomos morar todas juntas, mas com o passar do tempo vi que eram relações diferentes.
img

O que você gosta de fazer fora das quadras?

Não saio muito para festas. Gosto mesmo é de ficar em casa, ler um bom livro e navegar na internet. Na verdade, meu passatempo preferido é ficar de papo com minha mãe. Somos muito unidas.

Agora que você terminou o segundo grau, o que pretende fazer?

Dei uma pausa assim que terminei o colegial. Agora, quando retornar para Americana (SP) e passar o período de competições que teremos, pretendo entrar num cursinho preparatório para vestibular. Gostaria de cursar Educação Física e Fisioterapia. Acho que esses dois cursos se completam e vão servir para eu cumprir meu objetivo de vida, que é trabalhar para sempre na área esportiva, mais especificamente com o basquete.

O que você espera do treinamento em Las Vegas (EUA)?

Acho que vai ser maravilhoso e vai nos dar mais ritmo ainda. A experiência que vamos ganhar com os treinos vai somar muito para chegarmos bem na Copa América. Treinar no mesmo padrão dos jogadores da NBA é algo que nunca imaginei. Estou muito contente e tenho certeza que a viagem será um grande aprendizado para todas nós.
img

Qual a expectativa para a Copa América / Pré-Mundial?

A expectativa é sempre a melhor possível. Nosso primeiro objetivo na Copa América é garantir uma das quatro vagas para o Mundial Sub-19 de 2011. Em segundo lugar, vamos buscar um lugar no pódio. Com o nosso histórico, garra e determinação, tenho certeza que vamos fazer bonito na competição.