Imprensa

16/03/2004 - José Estevam Ferreira Junior

img
Trabalho não falta para o pivô José Estevam Ferreira Júnior, de 25 anos e 2,11m, em 2004. Sua equipe, o Unit/Uberlândia, que é vice-líder do Campeonato Nacional 2004, começa, nesta quarta-feira, a disputa da fase semifinal da Liga Sul-Americana de clubes, contra o Liberdad Sunchales, da Argentina. Além dessas competições, o líder de enterradas do Nacional (media de 1,4 por jogo) trabalha com afinco para buscar uma vaga na seleção brasileira que irá disputar o Campeonato Sul-Americano no mês de julho, no Brasil.

Quais suas expectativas na Liga Sul-americana e como é conciliar duas competições tão importantes?

Pessoalmente, não conheço muito o Liberdad Sunchales, nosso adversário. Mas acredito que se mantivermos a regularidade apresentada até agora na competição, com uma defesa forte e muita concentração, vamos conseguir estar na final da Liga Sul-Americana. Precisamos estar atentos para não sermos surpreendidos e garantir a vitória dentro de casa, com o apoio da nossa torcida. É claro que disputar duas competições ao mesmo tempo é bastante desgastante, mas conseguimos nos organizar e ter um bom desempenho nas duas.
img

O Uberlândia é o vice-líder do Nacional, com dez vitórias em 12 jogos. Existe um segredo para esse sucesso da equipe?

Em primeiro lugar, temos uma ótima estrutura e um respeito à filosofia do treinador. Montamos uma defesa forte, que é a grande prioridade do técnico Hélio Rubens Garcia e temos grandes talentos individuais que formam um excelente conjunto. Aliás, esse é o principal fator do nosso bom desempenho. Aqui todos jogam pelo grupo, buscando ajudar a equipe no que for preciso. E esse entrosamento vem melhorando a cada jogo, com o objetivo de chegar à final da competição.

Dá para apontar os favoritos ao título?

Teoricamente, os favoritos são, além da nossa equipe, Flamengo, Campos e COC. Mas tudo depende do que o time mostra em quadra. Como a competição é de alto nível, surpresas acontecem e a final pode ser inesperada. O Flamengo, por exemplo, não figurava entre os favoritos e é lider. Nós fomos surpreendidos pelo Ulbra, provando o equilíbrio da competição e que cada partida é uma história.
img

Quais os jogadores que mais chamaram a sua atenção até agora?

Eu gosto muito de ver essa garotada de talento que está surgindo no basquete brasileiro. Em algumas equipes, como Franca e COC, vemos juvenis irem para a equipe adulta e darem conta do recado. Atletas como Jefferson e Marcelinho, do Paulistano, são exemplos de jovens talentos que estão mostrando todo seu potencial neste Nacional.

Como você analisa a sua participação no Campeonato Nacional?

Acho que meu jogo vem melhorando a cada ano e sinto que venhou amadurecendo. Estou conseguindo aperfeiçoar a cobertura no garrafão e participar mais efetivamente na defesa quanto no ataque. Meu objetivo é crescer cada vez mais e buscar ser convocado para a seleção brasileira na temporada 2004.
img

Quais seus planos para o futuro?

Meu objetivo imediato é ajudar o Unit a ser campeão inédito do Nacional. A médio prazo, garantir uma vaga na seleção brasileira. Já fui convocado outras vezes mas uma contusão no joelho me atrapalhou. Espero poder disputar o Sul-Americano, pois é sempre um orgulho defender o seu país. Também gostaria de jogar no exterior, pois é uma grande experiência profissional e pessoal.

Deixe uma mensagem para os iniciantes no basquete.

Eu procuro seguir minha vida pessoal e profissional de acordo com três fundamentos: fé em Deus, trabalho e humildade. E é esse o meu conselho. Siga sempre trabalhando e semeando coisas boas para colher bons frutos. Aja sempre com humildade, reconhecendo seus erros e respeitando os outros.