Imprensa

18/08/2003 - Leandro Mateus Barbosa

img
O armador Leandrinho, de 20 anos, é um dos reforços do Brasil no Pré-Olimpico de Porto Rico que irá classificar os três primeiros colocados para as Olimpíadas de Atenas, em 2004. O atleta, que irá jogar a temporada 2003/2004 pelo Phoenix Suns, na NBA, atuou pela última vez na seleção brasileira no Mundial de Indianápolis, em 2002. Este ano, Leandrinho disputou 20 jogos pelo Bauru Basquete no Campeonato Nacional e terminou a competição como segundo cestinha (média de 28.2 pontos e 546 no total), segundo na recuperação de bolas (2,5 e 50) e o quarto nas assistências (7.0 e 139).

O que mudou no jogador Leandrinho do Mundial de Indianápolis para o Pré-Olímpico?

Eu aprendi muito durante esse período. Meu jogo evoluiu bastante desde o Mundial até hoje. Estou extremamente feliz por estar defendendo a seleção brasileira outra vez. Estou aqui para colocar em prática o que aprendi nos Estados Unidos, buscando sempre ajudar a equipe a vencer.
img

Depois de 11 meses longe da seleção, como é estar de volta a equipe brasileira?

É maravilhoso voltar a disputar uma competição com a camisa do Brasil. Esse grupo é excelente e muito animado. Os jogadores que estão aqui tem muita raça e estão motivados para conquistar a vaga olímpica. Os treinos são sérios e, ao mesmo tempo, divertidos. Somos uma grande família dentro e fora da quadra.

Como você vê a disputa com Demétrius e Valtinho pela posição de titular de armador?

Não estou muito preocupado com isso. Se eu vou ser ou não o titular não tem muita importância, eu vim para acrescentar. O que eu quero é ajudar o time e contribuir da melhor forma possível. Quero ser útil à seleção e vou me empenhar ao máximo para isso. O Demétrius e o Valtinho são ótimos armadores e seja quem for o titular, a seleção estará bem servida.
img

Quais são as chances do Brasil no Pré-Olímpico e os principais adversários na competição?

Nós temos muitas chances. O clima na seleção é o melhor possível. Estamos muito unidos e pensando só na vaga. Essa é a nossa missão e todos estão conscientes do trabalho que deve ser feito. Temos jogadores muito bons e todas as condições de nos classificarmos para as Olimpíadas de 2004. Os Estados Unidos são um adversário forte, com jogadores da NBA, mas não são nenhum bicho de sete cabeças. Os outros adversários vão estar lá brigando pela vaga como nós. Todos os times têm esse único objetivo, mas tenho certeza que vamos garantir a participação do Brasil em Atenas.
img

Como foram os primeiros meses como atleta da NBA e a sua expectativa para a temporada 2003/2004?

Essa temporada na NBA foi muito válida para mim. Aprendi alguns fundamentos novos e outras coisas bem simples que nunca tinha visto no Brasil. Tive treinamentos específicos para armador e isso foi muito importante para a evolução do meu jogo. Acho que a temporada na NBA deste ano será parecida com a Summer League, onde os jogos são de alto nível técnico.

Seus números no último Campeonato Nacional, defendendo a equipe do Bauru, foram impressionantes. A que se deve tanta eficiência?

Acho que esses números revelaram um trabalho de grupo bem feito. Os méritos não são só meus, mas sim do time inteiro e, principalmente, do técnico Guerrinha, que me ajudou muito. Sozinho não conseguiria alcançar esses resultados.